Bem-vindo à FAAN

Seja bem-vindo ao portal da Fundação Dr. António Agostinho Neto, nosso objectivo é promover a pesquisa e divulgação da vida e da obra do Dr. António Agostinho Neto; Promover actividades para melhorar o bem-estar e a condição dos angolanos; A promoção da educação, da ciência, da tecnologia e da cultura, para incentivar a criação e a inovação, de todo o tipo e sob todas as formas, e a investigação científica e tecnológica.

Versão para impressão
PDF

22 de Novembro "Dia do Educador"

A educação é a alma do saber.

 

No dia 22 de Novembro de 1976, o primeiro Presidente de Angola, Dr. António Agostinho Neto, declarou aberta a campanha de alfabetização, em Luanda, nas instalaçoes da antiga fabrica de téxteis designado Textang II, e ficou marcada na história do país como data consagrada aos mestres do ensino, e a partir de 1978 foi institucionalizado como dia Nacional do Educador.


Alguns extratos do discurso proferido pelo Camarada Presidente Dr. António Agostinho Neto, aos Camaradas da Textang.

“Esta cerimónia simples que marca o início de uma campanha vasta a nível nacional na «Alfabetização» do nosso povo, reveste-se de uma importância particular, e essa importância, vem do facto, de nós todos sentirmos, que no nosso País, há carências essenciais que temos de vencer no mais breve prazo de tempo possível, nós temos insistido em dizer que ainda não estamos a funcionar, não estamos a produzir, não estamos a viver o suficiente no nosso país.

É nosso dever que devemos compreender, que devemos aumentar a produtividade a todo momento para atingirmos os níveis desejados. No entanto, dentro desta problemática toda, existe um capitulo que os camaradas abordaram hoje, o problema da formação de quadros. Não pode haver uma boa produção se não houver quadros, se não houver técnico, e não pode haver técnicos se não houver trabalhadores que saibam ler e escrever. A grande maioria do nosso povo é analfabeta. Estima-se 85%, em cada 100 homens, 85 não sabem ler nem escrever, isto é uma desgraça para um país, que esta a pretender desenvolver-se, quer dizer que o homem que não sabe ler nem escrever, não pode de maneira nenhuma ser um bom técnico, ser um bom quadro, porque não pode estudar por si próprio. Não pode ler um jornal, não pode ler um livro, não compreende de muita coisa que se passa no mundo, para aprender a técnica, precisa portanto, ler e escrever.

E quando o Comité Central disse que, aprender é um dever revolucionário, é exactamente assim, é que nós não fazemos a revolução sem concretizar a cada passo, as ideias que nós temos para o desenvolvimento da nossa revolução, temos de concretizar neste capítulo também, o capítulo da formação de quadros. Sim, nós aprendemos a manejar uma máquina, nós aprendemos a manejar uma charrua, aprendemos a manejar um tractor mas não passamos daí se não estudarmos, se não aumentarmos o nosso nível intelectual, e temos de começar pela base, aprender a ler e a escrever.

Eu creio camaradas, que com este passo dado, concretizando portanto, um dos capítulos da nossa Reconstrução Nacional, nós estamos assim, a cumprir com as determinações do nosso Comité Central, estamos a por em prática as ideias, que temos difundido sobre o nosso País, e vamos assim eliminar um dos elementos herdado do colonialismo, que é um factor de atraso para o nosso povo, que é o obscurantismo, a ignorância, a falta de conhecimentos literários.
Desejo por tanto, felicitar mais uma vez aos camaradas por esta iniciativa, que haja constância nos estudos, que haja persistência…”

Um individúo nâo educado ou analfabeto é incapacitado de adquirir conhecimentos sobre tudo, inclusive sobre a saúde. Uma pessoa que não sabe ler e nem escrever é mais exposto a ter problemas de saúde, e consequentemente tenderá a não procurar ajuda médica, por não sabe do que se trata.

O índice de cidadãos educados de um país indica o nível de desenvolvimento do mesmo. Quanto mais pessoas analfabetas, menos desenvolvimento.

Esta data constitui uma importante ocasião para as autoridades afins, os educadores e os discentes, reflectirem sobre os principais problemas do sector, visando encontrar fórmulas ou modelos eficazes e eficientes para a sua superação,reconhecendo o papel do professor como elemento preponderante na comunidade e agente activo do desenvolvimento social, a melhoria das suas condições impõem-se como uma obrigação de toda a sociedade, em geral  das instituições governamentais em particular.



O nosso ensino cresceu significantemente, o paìs não esta estático, está a progredir paulatinamente, e estão a trabalhar para melhorar cada vez mais o nivel do ensino em Angola.

 

Ser educador é ser um mentor, um professor, um pai.

Seja nosso parceiro

Jovens Escritores

REDES SOCIAIS

SUBSCREVER NEWSLETTER

Nome:
Email: